Como começar a investir em imóveis

renovar remodelar casa

A maior dúvida que investidores imobiliários nos apresentam é na realidade como começar a investir. O nosso artigo “investir em imóveis em Portugal” toca em vários aspectos interessantes deste problema, porém hoje quero-lhe apresentar uma história, com a qual vários investidores podem aprender.

Hoje quero contar-vos a história de um cliente (e amigo) que começou a investir há mais ou menos 8 anos, e recorreu a mim para o ajudar. O Pedro queria começar a investir em imóveis, e tinha lido umas coisas na internet e uns livros (na altura, antes do meu livro, só havia livros estrangeiros…) e “tinha umas luzes”, segundo ele próprio, porém não sabia como dar o primeiro passo. Hoje o Pedro tem 14 imóveis.

Começar a investir em imóveis

A realidade é que existe pouquíssima informação na internet sobre como começar a investir em imóveis em Portugal. Foi por isso que nós na ArrowPlus criámos este blog; achamos que existe muita gente que estaria interessada em aprender coisas sobre investimento imobiliário, porém não existem recursos de fácil acesso.

O começo é, por isso, bastante mais complicado. Entre empreiteiros, spreads e outros termos esquisitos, registos de contratos ou legalidade, existem muitas dúvidas.

Em primeiro lugar, apelo ao bom senso. Investir é algo que quer tempo e dinheiro, e deverá fazer parte de uma vida balanceada. Investir em imobiliário requerá por ventura mais tempo que investir em outros activos, porque será necessário gerir o imóvel, o arrendamento, etc. Poderá sempre delegar esta tarefa a uma empresa, porém as margens ficarão, em muitos casos, muito estreitas.

Cenário típico: começar com 50.000€

Agora admitamos que tem 50.000€ para investir, como o Pedro tinha no dia em que me procurou.

Tem várias opções para investir esse capital em imobiliário; pode recorrer a fundos de investimento imobiliário em Portugal ou fora, ou pode comprar um imóvel físico. Porém, tem variadíssimas opções no que diz respeito ao tipo de imóvel a comprar: desde apartamentos, moradias, fracções de moradias, escritórios, lojas ou armazéns tem de tudo um pouco!

A questão é saber quais são os tipos de imóveis mais rentáveis, mais acessíveis, com mais valorização e com mais perspectivas de futuro. Mas se quer começar a investir terá que se restringir a um tipo de imóvel, provavelmente, e a um tipo de imóvel barato. Isto limita as opções, mas tenho boas notícias para si: normalmente os melhores tipos de imóveis são também aqueles que são mais acessíveis e com os quais pode (deve?) começar.

A questão do tipo de imóvel perfeito para o seu caso é que já tem mais que se lhe diga…

Eu não lhe consigo dizer qual o tipo de imóvel perfeito para o seu caso com um blog post, como calcula. Teria que cuidadosamente estudar o seu perfil e recolher todos os dados inerentes a essa análise. No entanto, posso-lhe dar uma ideia da forma como eu próprio chego a essa conclusão…

1 – Tolerância ao risco / desejo de retornos

Em primeiro lugar, é necessário perceber que qualquer investimento é um hiato entre risco e potencial de retorno. Ou seja, quanto mais risco mais potencial de retorno, mas também maior potencial de perda.

Isto é, genericamente, a regra. Como em tudo há excepções.

Mas o leitor tem uma tolerância alta ou baixa ao risco? É isso que se deve perguntar antes de decidir investir, porque essa pergunta define quase tudo.

O tipo de imóvel (residencial tem, genericamente, menos risco associado), se pede dinheiro emprestado para comprar uma casa para arrendar, etc. Tudo é definido com base nesta pergunta.

O Pedro disse-me que teria pouca tolerância a risco, e que queria investimentos seguros, mesmo com rentabilidades mais baixas. E isso levou-me à segunda pergunta.

2 – Tempo para o investimento

Um imóvel para investimento necessita de algum tempo da sua parte, ponto. Primeiro, pode ter que fazer você mesmo a gestão do mesmo, ou pelo menos estar em contacto com o gestor da sua propriedade.

Se optar por entregar o imóvel a uma empresa de gestão, as margens serão mais pequenas. Ao mesmo tempo, isso permite-lhe investir menos tempo e migrar para mercados mais rentáveis. Por exemplo, na ArrowPlus, temos imóveis de rentabilidade garantida, em mercados altamente rentáveis em que nós fazemos toda a gestão para o investidor. Se compensa fazê-lo? Com a nossa empresa, sempre foi melhor. Se o fizer por si, terá que analisar por si mesmo.

Importante mesmo é definir o tempo que tem para o investimento e se considera gerir os seus imóveis ou entregá-los a uma empresa que o faça por si. A segunda opção retirará margem ao negócio, mas é necessária se quiser investir em mercados bons que sejam longe do seu local de residência.

Neste caso o Pedro foi claro: “não quero ter que gerir nada, não tenho tempo!”.

3 – Perspectiva de futuro

A perspectiva de futuro para o investimento importa também para a escolha do investimento, do mercado, do tipo do imóvel, etc.

O Pedro também me disse que não estava à procura de um investimento que valorizasse tremendamente (até porque esses imóveis estão geralmente em mercados mais arriscados).

O leitor terá que fazer o mesmo raciocínio. Que tipo de investimento quer fazer? Quer um imóvel que lhe garanta um rendimento estável ou prefere um imóvel num mercado com maior potencial de valorização, para vender assim que ocorra essa valorização? Tudo isso influencia o negócio que procura, o tipo de investimento que vai fazer, etc. E além disso, a não ser que recorra a uma empresa como a ArrowPlus, tem que conhecer bem os mercados onde vai investir.

E já agora… é necessário ver valor!

Qual é a altura certa para investir, no caso de cada um?

Esta pergunta depende de vários factores, mas deixe-me dar-lhe uma dica: quando muita gente compra, pode ser altura de nos sentarmos à espera que o mercado caia. E quando ninguém quer comprar, aí entramos nós e compramos a um preço fantástico.

Mas isto é relativo. Num mercado impulsionado, também se podem fazer fortunas… desde que se veja valor!

Quando apresentei imóveis ao Pedro, ele começou por torcer o nariz. Não eram bonitos nem apelativos. Pareciam-se como este:

renovar remodelar casa

Mas ele não sabia que estas casas podem facilmente ficar assim:

cozinha remodelada

Começar a investir com pouco dinheiro

Grandes remodelações obrigam a grandes orçamentos. E quando se tem pouco dinheiro (como 50.000€) o melhor é pensar em voos mais baixos. Porém, é ainda possível em certos mercados em Portugal adquirir e remodelar um imóvel com 50.000€, se escolher os mercados certos.

Foi isso que o Pedro fez. Com 50.000€ adquiriu um pequeno prédio de 2 fracções que de imediato arrendou à ArrowPlus no regime de rentabilidade garantida.

Esta é uma das nossas vantagens: permitir investir em imobiliário com pouco dinheiro.

Mas pode ir mais longe se for astuto, tiver conhecimento e tiver alguma sorte. Conseguirá se calhar encontrar um imóvel até um pouco mais caro, mas para o qual consiga obter um empréstimo bancário que o financie a 100% nessa aquisição. Na realidade, tudo o que precisa é de algum dinheiro para pagar o IMT, o imposto de Selo (também sobre crédito), escritura e outros valores que tem que pagar ao adquirir o imóvel. E tudo o resto será financiado – porém tenha em mente que contrair um empréstimo aumenta o risco do seu investimento.

Começar a investir em imóveis vs começar a investir na bolsa

A pergunta que o Pedro me colocou quando chegou até mim foi se, dado que tinha pouco capital para investir, deveria antes aplicar o seu capital na bolsa. Eis a grande e velha questão: acções ou imobiliário?

Eu sou um fã incondicional do imobiliário, como deve compreender. No entanto, também acho que outros veículos de investimento podem ter um papel importante na hora de investir, especialmente se está a começar a investir. E quando digo começar, pode ser começar a investir em imóveis ou começar a investir na bolsa.

O caminho que deve seguir tem a ver com o capital que dispõe e o tipo de investimento que deseja. Se tiver “apenas” 5.000€ ou 10.000€ e não desejar contrair um crédito, então é quase impossível investir em imobiliário.

Nesse caso, o mercado de acções pode ser uma excelente alternativa. Apesar do PSI 20 estar no maior ciclo de quedas dos últimos anos, o mercado de acções (mesmo em Portugal) continua a ser uma alternativa. Aliás, a correcção da bolsa abre oportunidades.

O meu livro mostra em detalhe a comparação do imobiliário com a bolsa de valores, e a minha opinião é que a bolsa é um local inapropriado para o longo termo, com alavancagem, mas pode ser útil para “parquear” capital até se reunir o suficiente para se investir em imóveis (físicos).

Mas OK, e como começar a investir em imóveis, Artur?

Eis algumas dicas:

  • Encontre bons mercados.
  • Encontre excelentes negócios.
  • Monetize os imóveis – encontre inquilinos bons e cumpridores.
  • Tenha parceiros, eventualmente.
  • Monte uma estrutura, com uma pessoa que faça a gestão dos seus imóveis.

Em seguida dou-lhe algumas dicas sobre como fazer algumas destas coisas.

Como fazer um contrato de compra e venda

Recentemente, o jornalista Pedro Anderson publicou uma entrevista sobre como poupar em comissões de imobiliárias. Além do serviço público que o Sr. Anderson faz, que desde já agradeço, ficou também explicado como se pode fazer um contrato de compra e venda para vender uma casa. Na entrevista em si, o solicitador que dá a cara aconselha a que o individuo se aconselhe junto de um solicitador para fazer um contrato de compra e venda (chamado contrato promessa compra e venda – ou CPCV para sermos mais curtos) para o seu imóvel em específico.

Também se falou das hipóteses de seguir uma minuta, e na minha opinião esse deve ser o caminho para quem esteja minimamente habituado a ver contratos.

O próprio site do registo predial oferece minutas para um contrato promessa compra e venda. No entanto, se quiser fazer um contrato de compra e venda, pode tanto alterar uma minuta confiável como contactar um solicitador ou advogado. Necessitará de ter todos os dados sobre o imóvel, os compradores e os vendedores, e o resto é muitas vezes standard.

O Pedro fez-me também esta pergunta, à qual lhe respondi da mesma forma (ou minutas confiáveis ou um solicitador). E a verdade é que o Pedro entendeu fazer o primeiro contrato de compra e venda por si mesmo, e hoje fá-los com grande à vontade.

Pode ver a referida entrevista aqui:

Como fazer um contrato de sociedade

Caso os seus negócios comecem a ser grandes (ou diversificados), pode então começar a pensar em sociedades. E neste ponto, é fulcral fazer um contrato de sociedade, para deixar claro quais são as várias responsabilidades, funções e direitos dos sócios. Deve também prever todos os dados necessários à bem dissolução da sociedade ou à saída de um sócio.

Foi isto que aconteceu ao Pedro. Algum tempo depois de começar a investir o Pedro apercebeu-se que era importante diversificar.

Pense comigo. 100.000€ num imóvel 100% seu ou 50.000€ em dois imóveis 50% seus?

Viu como diversificou em imobiliário, de forma fácil?

Para tal, deve fazer um contrato de sociedade. Criá-lo com pouca cautela e sem tomar em atenção detalhes particulares da sociedade e dos sócios é um erro.

Aquilo que muita gente faz é usar uma minuta de contrato feito pré-feita sem adaptá-lo às características da sua própria sociedade e respectivos sócios.

Para evitar erros e proteger-se ao máximo, eis algumas dicas que deve seguir ao fazer um contrato de sociedade:

1. Não copie minutas sem saber o que está a fazer – Uma minuta é sempre útil, mas copiar uma minuta da internet para a sua sociedade sem prestar atenção a mais nada é um erro enorme. Eu próprio reciclo minutas a toda a hora. Mas é necessário levar em conta todas as alterações e adaptações necessárias, que devem ser moldadas em função da característica da sociedade, do imóvel em questão, do capital de cada sócio, etc.

2. Estabeleça o tipo de sociedade e saiba qual melhor se adapta ao que quer fazer – Até podemos apenas falar de uma socidade para adquir um imóvel apenas. Não importa. O importante é definir o tipo de socidade que quer. Limitada é mais comum, mas pode optar por outros tipos jurídicos. Este foi um erro que o Pedro cometeu: quando me falou do contrato, não dizia que tipo de sociedade era nem como cada sócio podia sair da mesma!

3. Seja sempre sempre assessorado por um advogado ou solicitador – Foi aí que recomendei ao Pedro um advogado amigo para lhe rever o contrato. E foram apenas 50€ pelo serviço, o que por certo impediu a criação de problemas mais à frente. A sociedade ainda se mantém, mas o Pedro optou por fazer um contrato de sociedade bem feito, sem margem para erros.

Qualquer contrao de sociedade precisa ter o tipo de sociedade que é formada, o nome da mesma, os sócios e suas participações e o representante legal, entre outros. Além disso, como lhe disse antes, convém que esteja clara a função e dever de cada sócio.

E a seguir…

Como fazer um contrato de prestação de serviços

Como fazer um contrato de arrendamento (aluguel)

Negócios rentáveis em imobiliário

Quer saber mais sobre investimento em imóveis?

    Artur Mariano

    Artur Mariano, PhD é investidor imobiliário há vários anos, tendo um portfolio imobiliário com dezenas de fracções e é o maior accionista da ArrowPlus. Engenheiro de formação base, é doutorado pela Universidade Técnica e Darmstadt, na Alemanha, tendo dezenas de artigos científicos em várias revistas e conferências internacionais.

    Click Here to Leave a Comment Below
    Poupar no crédito habitação? Claro! - - Fevereiro 19, 2018 Reply

    […] é tanto adequado para investidores em imobiliário como pessoas que têm casa própria ou querem comprar uma, ou quem queria conhecer o mercado […]

    Independência Financeira em Portugal: realidade ou ficção? - Outubro 17, 2018 Reply

    […] para poder investir, por exemplo, em imobiliário (ou até mesmo na bolsa). A realidade é que pode investir com pouco dinheiro e dar início à sua carteira de investimentos. Não precisa de ganhar 20 mil euros ao final do […]

    Leave a Comment: