Tag Archives for " investir em imóveis "

Os REITs e os mercados (Maio 2020)

O COVID19 veio mudar muita coisa no mundo, e como não podia deixar de ser os mercados financeiros têm vindo a experienciar volatilidade acrescida desde essa chegada.

As mudanças no mundo pós-COVID serão reflectidas no mercados, como sempre acontece na história, por mais ou menos tempo que demorem.

Na última semana trouxe ao podcast da ArrowPlus o meu amigo Tiago Cardoso, analista de mercados financeiros, para falarmos daquilo que será o futuro dos mercados financeiros (no pós-COVID19).

Pode ver o podcast aqui:

Em particular, estou, como sempre, interessado em REITs – Real Estate Investment Trusts - que em termos grosseiros são fundos imobiliários cotados em bolsa.

Os REITs serão o espelho da combinação do imobiliário e os vários sectores de negócio no mundo, no fundo.

É curioso que escrevo este artigo nesta semana, em que iniciámos a abertura dos mercados com alguma pujança (alimentada pelo anúncio de uma vacina com sinais promissores, nem tanto pelo plano franco-alemão), contrariando as quedas acentuadas da última semana. Isto quando eu e o Tiago dissemos que o mercado poderia e deveria continuar a cair e pensei mesmo que poderia ser o “empurrão” que faltava para a queda.

Parece-me que teremos ainda que esperar e parece-me que ainda podemos fazer muitos mínimos (e máximos) locais antes do mercado começar a reflectir o estado real da economia.

Refiro-me por exemplo:

  • À taxa de desemprego nos Estados Unidos, que está hoje oficialmente já em 14,7% mas que toda a gente sabe que na verdade deverá ser bem mais alta;
  • Às quebras brutais de produção e consumo que se deram nos últimos meses. Mesmo com a retoma, em Portugal, notam-se quebras de 70% nos setores dos automóveis e restauração;
  • Com alguns setores em quebra “permanente”, como o da aviação comercial, do qual Warren Buffet – um investidor de longo termo – quis inclusivamente saltar fora.

A isto há a adicionar algumas coisas:

  • O índice Buffet, já que falámos nele, chegou aos 170%! Entre muitos outros indíces, é fácil perceber uma sobrevalorização desmedida do mercado.
  • Os REITs estavam até aqui a acompanhar os valores do imobiliário, de uma forma geral. Como sabe se me lê há algum tempo, sabe que considero o imobiliário sobrevalorizado à escala mundial há algum tempo.

E o que acontecerá aos mercados, nesse caso?

Empiricamente – e pelo que lhe disse até aqui (não quero fazer disto um artigo muito técnico) – acredito que vão continuar a baixar. É a minha opinião, não tenho uma bola de cristal.

Existem diversas condicionantes, para separar os REITs “bons” dos “maus”. Alguns aspectos são relaccionados com:

  • A queda dos mercados em si;
  • O sector onde estão;
  • Naturalmente, a sua condição atual e potencial de crescimento.

É por isso que investir em REITs requer muita análise e cuidado. Há REITs que podem ter um crescimento desmedido nos próximos anos enquanto outros podem literalmente abruptamente em valor e colapsar.

Por exemplo, houveram REITs com quedas de 60% no início da pandemia, porque estavam alocados ao turismo e alojamento de curta estada. Comentei isso num video para o Facebook, onde apresentei índices concretos e mostrei alguns REITs.

Esses REITs sofreram com o COVID19 no momento em que ele chegou.

Há um caso paradigmático de um REIT que eu gosto e que é um excelente exemplo para mostrar aqui. Trata-se do Service Properties Trust (ticker NASDAQ: SVC). É um REIT que investe em hoteis mas não os gere. Arrenda-os para exploração. Eis o que aconteceu a este REIT:

Este REIT caiu entre 22 de Fevereiro e os 30 dias seguintes, nada mais nada menos que 80%. Trata—se de um REIT que não explora os próprios hoteis. Tudo dito?

E se há REITs que sofreram com o virus quando ele se instalou, há outros que só reflectirão essa perda daqui a algum tempo e outros ainda não que não terão perdas.

A partir de agora, irei mostrar as análises como analista externo da XTB integralmente no canal de Youtube da ArrowPlus, a começar este mês. E acredito que estão aí a aparecer excelentes oportunidades, porque os mercados vão ter (na minha opinião) que cair mais.

Se até agora apoios, fundos, declarações, têm sido suficientes para controlar as quedas, duvido que isso aconteça daqui para a frente.

Quando estamos demasiado em baixo no remoinho, pode ser demasiado tarde para sair dele.

Acredito que estamos demasiado em baixo no remoinho.

Nota legal/disclaimer: Os investimentos em ações e REITs contêm risco e não são apropriados para todos os perfis de investidor. Este espaço não é regulado pela CMVM. O artigo não pode ser usado como aconselhamento financeiro nem pretende dar qualquer recomendação de compra de qualquer ativo.

Investir em imóveis com pouco dinheiro

Quantas vezes já pensou no que faria se tivesse mais dinheiro? As coisas que comprava, as experiências que teria, os investimentos que faria. Talvez um desses investimentos fosse imobiliário não é? No entanto, como tem pouco dinheiro disponível, pensa que estes investimentos estão fora do seu alcance. Mas será que é mesmo assim? Será mesmo impossível investir em imóveis com pouco dinheiro?

O nosso analista Artur Mariano já foi questionado sobre o assunto e abordou-o num vídeo:

Investir em imóveis com pouco dinheiro. Será possível?

Quando se tem pouco dinheiro cada investimento tem de ser ponderado e estudado. É provável que muitas vezes até pense que não consegue investir por não ter dinheiro. Se não tem dinheiro então precisa de pensar em como o conseguir. Por outras palavras, precisa de se financiar. Como viu no vídeo acima, financiar-se é algo menos complicado do que poderia pensar. Desde que saiba quais os seus objetivos, encontrará certamente formas de conseguir rendimento extra.

Há várias formas de conseguir financiar-se e fazer o seu investimento.

  • 1
    Recorrer ao crédito habitação;
  • 2
    Investir em ações;
  • 3
    Começar o seu próprio negócio ou arranjar um segundo emprego.

Recorrer ao crédito habitação

Esta é, talvez, a solução mais óbvia para quem quer investir em imobiliário. Se precisa de se financiar é provável que esta seja, até, a primeira hipótese de que se recorda. Terá apenas de recorrer a instituição de crédito para tentar conseguir o capital de que precisa para o investimento. Ao se preparar para recorrer a crédito habitação terá de pesquisar muito sobre as opções disponíveis e reunir-se com vários bancos. Mas tenha atenção! Apesar de esta ser a solução mais óbvia pode não ser uma boa ajuda para si.

Quando os bancos analisarem o seu caso, vão ter em conta a taxa de esforçoA taxa de esforço calcula o dinheiro que sobra para as despesas diárias após o pagamento das obrigações mensais (créditos). Este valor não deve ser superior a 40%. Contudo, se tem pouco dinheiro disponível e se o seu vencimento mensal é baixo, a sua taxa de esforço pode ser superior a 40%. Nesse caso, tornar-se-á mais difícil ter o crédito aprovado. Tenha sempre isto em conta quando estiver a estudar as suas hipóteses de crédito.

Será uma boa opção?

Mesmo que consiga que o seu crédito seja aprovado, será boa ideia optar pelo crédito habitação? Considere sempre o valor do empréstimo e das taxas para compreender o custo total. Avalie se consegue suportá-lo e qual o retorno que espera receber no futuro. Pense também na possibilidade de ter de realizar algumas obras no imóvel, para as quais também precisará de dinheiro.

Tem a certeza do caminho que vai seguir? Então vamos em frente!

Tente usar o dinheiro que efetivamente tem disponível para dar entrada no imóvel que pretende. Se conseguir usar o dinheiro que já tem para cobrir uma parte, mesmo que mínima, será mais fácil ver o seu crédito aprovado. Desta forma o financiamento não será totalmente suportado pelo banco. Isso será uma boa garantia para o banco.

Leia também o nosso artigo sobre investir em imóveis com alavancagem para perceber como pode agilizar o processo de obtenção de crédito.

Investir em ações

Investir na bolsa pode ser uma forma de se financiar para investir em imóveis ou pode mesmo ser a sua opção de investimento. Vamos por partes.

Se quiser comprar títulos para depois usar possíveis lucros como investimento imobiliário, lembre-se de que terá de esperar pelo que irá receber e só depois investir. O retorno não é, obviamente, imediato.

Além disso, convém amealhar algum dinheiro primeiro para depois investir de forma mais desafogada. Por isso, investir em bolsa acaba por ser uma boa maneira de começar. Por um lado, para conseguir construir o seu pé-de-meia para novos investimentos. Por outro, para alargar o seu portefólio de investimentos. Como o retorno não é imediato, só terá lucros a médio ou longo prazo.

Ainda assim, levanta-se outra questão...

Qual é melhor: investir em bolsa ou investir em imóveis?

Investir em bolsa pode ser uma boa forma de se financiar para outros investimentos. Mas também pode ser o seu foco de investimento. Tudo depende, claro, dos seus objetivos e propósitos. A bolsa pode até tornar-se uma parte do seu portefólio de investimentos, mesmo que o seu primeiro objetivo seja financiar-se para investir em imobiliário.

No entanto, normalmente, investir em imobiliário é mais rentável do que investir na bolsa. Mas também pode acontecer o contrário. A verdade é que a rentabilidade é variável e certamente as opiniões sobre a melhor opção também o são. Tudo dependerá também das suas características e do estado atual do mercado. 2018, por exemplo, foi o ano em que mais casas se venderam em Portugal e 2019 estará a ir pelo mesmo caminho. Neste momento, talvez possa ser melhor investir em imóveis. Daqui a uns meses pode já não o ser. Precisa sempre de avaliar todas as hipóteses disponíveis e estudar ambos os mercados.

Começar o seu próprio negócio ou arranjar um segundo emprego

Esta talvez seja a forma de se financiar que exige mais de si. Quer queira começar um negócio quer considere ter um segundo emprego é garantido que vai ter de trabalhar muito. Está preparado para o fazer?

Segundo emprego

Pode ser um part-time ou até, quem sabe, o início da sua carreira de freelancer. Arranjar um segundo emprego, um side job, é uma opção excelente para conseguir rendimento extra. Este extra é capital que poderá usar, a posteriori, para investimento ou mesmo para criar o seu negócio.

Começa a ser muito comum encontrar quem tenha outro trabalho além do principal. No entanto, é uma decisão que pode ser complicada de gerir. Para ter dois empregos precisa de conseguir conjugar os horários de ambos e de se organizar. Se tiver responsabilidades familiares também tem de avaliar o impacto que o facto de ter menos tempo disponível poderá ter.

Contudo, se tiver dois empregos, vai conseguir mais capital disponível ao fim do mês. Assim, vai ser mais fácil juntar dinheiro para poder investir.

Se planeia começar um negócio...

O tal segundo emprego pode ser o pontapé de saída para se tornar empreendedor e ter o seu próprio negócio. Como sabe, criar um negócio também tem custos e o rendimento extra pode muito bem ter como destino esses custos. Se já estudou o mercado, já tem o seu produto pronto a comercializar e a estratégia bem definida para começar... então está na hora de começar.

No entanto, não lance a sua empresa, o seu negócio, se não tiver certezas em relação ao que pretende vender ou como vai fazê-lo. Os passos em falso e investimentos falhados podem colocá-lo numa situação financeira muito complicada e deitar todo o esforço por terra.

Atenção aos créditos!

Se tem pouco dinheiro, não importa qual é o investimento que pretende fazer, terá sempre de se financiar. No entanto, evite recorrer ao crédito para tudo em que quer investir ou para tudo o que quer comprar. Não só poderá ver-se com uma taxa de esforço demasiado elevada mas também poderá acabar por não conseguir financiar-se para investimentos porque tem muitos empréstimos a pagar.

Se precisa de recorrer a crédito para investir tente sempre ter disponível uma parte do dinheiro para dar entrada e não depender exclusivamente do montante que lhe vai ser emprestado.

Ajuda das poupanças

As poupanças são sempre excelentes apostas. Se, mesmo com pouco dinheiro, está habituado a colocar dinheiro de lado ou mesmo aplicá-lo numa conta poupança, pode usar uma parte para ajudar a financiar-se. Tanto pode usá-las como garantia para apresentar ao banco quando pede um crédito habitação, como para investir uma parte na bolsa e, assim, começar a investir em algo. Também pode, claro, usar a poupança para começar o seu negócio.

Como vê, tem aqui também uma boa ajuda para começar a financiar-se para realizar o seu investimento.

A melhor forma de saber como investir em imobiliário é aprendendo com os especialistas, por isso o primeiro investimento que pode fazer é comprar o livro Investir em Imobiliário do 0 ao MilhãoO livro escrito pelo nosso analista Artur Mariano já está na segunda edição e pode ser a ajuda de que precisa para saber como investir melhor em imobiliário.

Investir em imóveis com pouco dinheiro. Mas como?

Além destas três formas de investir ou criar capital para o fazer, certamente há mais ideias para investir em imóveis com pouco dinheiro. Uma delas pode ainda nem lhe ter ocorrido: os fundos de investimento imobiliário (FIIs). 

Os fundos de investimento imobiliário

O que são fundos de investimento imobiliário (FII)?

Os FII funcionam de uma forma simples: um grupo de investidores junta-se para investir num ou mais imóveis. Depois de aplicar o valor que pretende recebe uma quota, de acordo com o que investiu.

Os FIIs podem investir não só em apartamentos, mas também noutro tipo de imóveis, tais como supermercados ou hospitais. Aliás, a maior parte dos fundos europeus e nacionais dedicam-se a activos do sector comercial. O retorno financeiro acontece quando estes imóveis estão arrendados ou valorizados.

Antes de decidir se os FIIs são uma boa opção para si, considere sempre as vantagens e desvantagens associadas.

Por um lado...

  • Os FIIs são acessíveis ao pequeno investidor, uma vez que não exigem muito capital de subscrição;
  • Pode até subscrevê-los no banco ou numa corretora online;
  • Alguns fundos nacionais permitem um investimento inicial acessível, de tanto como 50 euros.

Por outro...

  • Os FIIs podem cobrar comissões de subscrição, resgate e gestão;
  • Não são investimentos de capital ou rendimento garantido. Caso haja má gestão de capital ou desvalorização do imobiliário, quem investe pode perder dinheiro.

Além disso, há várias diferenças entre o investimento em fundos imobiliários e em imobiliário. Este foi, aliás, um tema abordado num vídeo do nosso analista Artur Mariano.

Em suma, os fundos de investimento imobiliário são, claro, uma alternativa mais em conta em relação a investir em imóveis propriamente ditos. Se tem pouco dinheiro pode ter aqui a solução ideal para si.

No entanto, os fundos de investimento imobiliário têm características diferentes do típico investimento imobiliário, o que pode acabar por se tornar determinante na hora de tomar uma decisão.

Fundos de Investimento Imobiliário: uma forma de se financiar?

Neste momento poderá estar a pensar que se os fundos de investimento imobiliário são acessíveis a quem tem pouco dinheiro então talvez tenha aí a resposta para começar a investir em imóveis.

No entanto, se pensar mais além, poderá ver aqui a oportunidade de sim, começar a investr, mas também de tentar começar a financiar-se para, mais tarde, investir em imóveis físicos. É uma questão de perspetiva.

Fundos de Investimento Imobiliário vs. Imóveis físicos

Aquilo que mais pode pesar no momento de decidir investir ou não num fundo de investimento imobiliário são as grandes diferenças que surgem quando comparamos os fundos de investimento imobiliário aos imóveis físicos. Tal como viu no vídeo acima, quando opta pelos FIIs tem de se lembrar de que aquilo em que está a investir nunca será realmente seu.

Ao contrário do que acontece quando é dono de um imóvel, se tem uma quota num fundo de investimento imobiliário, apesar de aquele imóvel ser parcialmente seu, não tem realmente poder de decisão sobre ele.

Num imóvel físico pode, por exemplo, fazer intervenções do seu jeito, pode escolher os inquilinos que se enquadrem com o que pretende e tem um controlo mais direto em relação ao que recebe e à manutenção do imóvel.

Se o seu investimento for através de FIIs esse controlo estará, normalmente, nas mãos de alguém exterior. Por um lado não tem de lidar diretamente com problemas do imóvel, mas por outro lado aquele imóvel nunca vai ser realmente seu.

Isto pode pesar na sua decisão, claro. Terá sempre a ver com aquilo que pretende do seu investimento.

Concluindo...

Se tem pouco dinheiro e quer investi-lo, pondere onde e como fazer esse investimento. Tente sempre encontrar formas de aumentar o seu capital para poder investir mais e melhor. É possível investir em imóveis com pouco dinheiro, mas terá sempre de arranjar formas de conseguir capital para poder investir.

Tente perceber quais as hipóteses possíveis para se financiar para investimentos maiores ou opte por investimentos mais pequenos, dentro daquilo que pode investir no imediato. Acima de tudo, lembre-se de que até com pouco dinheiro consegue investir. Só precisa de medir bem a forma como investe.

Investir em imóveis em Portugal e como ganhar dinheiro com imóveis

O imobiliário em Portugal está em grande. Em 2017, Portugal teve um “ano espetacular”, e o mercado “é sustentável”, disse recentemente a consultora JLL. Investir em imóveis em Portugal passou a ser novamente um tópico quente. Em Lisboa o investimento cresceu 17% apenas no primeiro semestre de 2017. 2017 foi o melhor ano de sempre a nível de operações com escritórios desde 2009. É inegável, o mercado imobiliário em Portugal está bem e recomenda-se.

Nos últimos anos, o número de investidores em imobiliário em Portugal cresceu bastante. Comprar um imóvel para arrendar voltou a ser uma opção para muitos. Na realidade, o sector cresceu bastante, para dar resposta a uma procura enorme que resulta do medo de casa própria originado pela crise de 2008. Um pouco por todo o país, o mercado de arrendamento aumentou tremendamente.

Também regressou uma tendência importante: é cada vez mais frequente pedir empréstimos para comprar casas de investimento. Primeiro, as taxas euribor estão baixíssimas (negativas até) o que resulta em taxas atractivas para crédito habitação. Segundo, a banca voltou a “abrir a torneira”. Terceiro, os depósitos a prazo em Portugal pagam muito abaixo da inflacção, com taxas médias de menos de 0.5%. Quarto, a valorização recente do imobiliário em Portugal leva a que muitos investidores comprem com a esperança que os imóveis valorizem.

Investir em imóveis

Os imóveis têm características únicas, que fazem do imobiliário um dos melhores tipos de investimento se não o melhor. Na realidade, eu falo extensivamente sobre este tópico no meu livro “Investir em Imobiliário: do 0 ao milhão”. Por isso, vou simplificar esta questão neste post dando-lhe algumas razões para investir em imóveis:

  1. Actualmente, os investimentos mais “seguros” como depósitos a prazo geram rentabilidades minúsculas, abaixo da inflacção;
  2. No entanto, os imóveis são sempre vistos como investimentos seguros, por serem tangíveis;
  3. O valor dos mesmos são menos voláteis;
  4. Permite excelentes possibilidades de diversificação;
  5. Têm inúmeras vantagens fiscais.

1. ArrowPlus – a sua primeira opção para investir em imóveis em Portugal

A ArrowPlus é uma empresa especializada na procura de excelentes negócios imobiliários, com retornos acima da média e/ou com rentabilidade garantida. Neste último modelo (que deve ler com atenção na nossa página) identificamos imóveis para os investidores que têm contratos de longa duração de arrendamento:

rentabilidade garantida em investimentos com imóveis

Devemos sempre ser a primeira opção porque conseguimos identificar excelentes negócios. Excelentes negócios são aqueles onde o investidor ganha muito dinheiro na compra, por comprar significativamente abaixo do valor de mercado. E quer escolha o modelo de gestão completa ou de rentabilidade garantida, encontraremos imóveis de acordo com os seus interesses.

Admitamos no entanto que não quer recorrer a uma empresa especializada como a ArrowPlus. Se estiver interessado, pode enviar-nos um email para geral@arrowplus.pt. Se quiser ter este trabalho por si, descrevo-lhe de seguida uma abordagem genérica para o fazer. Antes de mais tenho que o alertar que isto lhe levará muito tempo e que não será um método “chapa 7″…

Terá que estar bem assessorado e investir muito do seu tempo. Mas terá resultados se de facto se dedicar – como em tudo na vida!

2. O mercado certo para si

Vamos admitir que ainda não tem um conhecimento amplo do mercado imobiliário em Portugal. Ou nunca investiu, ou é estrangeiro ou simplesmente não conhece nada sobre o mercado. Antes de mais é importante ter noção de que, como qualquer investimento, existe risco associado.

E mais que isso, investigue se de facto o imobiliário é o melhor investimento para si. Note por exemplo que este é um investimento passivo, porém não é tão passivo como depósitos a prazo ou acções.

Em comparação com acções ou depósitos a prazo, falamos de diferenças grandes de rentabilidade. Especialmente se nos focarmos no mercado de acções em Portugal e depósitos a prazo… o mercado imobiliário é bastante mais atractivo!

Por exemplo, na ArrowPlus, mesmo em rentabilidade garantida (onde a rentabilidade é muito mais baixa que em gestão activa, porque a manutenção interior do imóvel está coberta e a empresa “assegura” o pagamento da renda todos os meses, reflectindo isso no valor, nós identificamos imóveis com rentabilidades brutas de 8%. Em gestão activa, chegámos a identificar imóveis com rentabilidades brutas de 16% em 2017…

Mas adivinhe…

arrowplus rentabilidades investimentos imóveis portugal

Não eram em Lisboa ou Porto.

Dificilmente o melhor mercado para o investidor é aquele que no qual ele reside. O primeiro passo para identificar mercados bons para investimento é estudá-los. No entanto, isto é uma tarefa árdua que lhe irá consumir muito tempo. Por isso, a ArrowPlus lançou uma linha de estudos de mercado low cost. Capitalizando na experiência e conhecimento da nossa área de consultoria e no facto de fazermos regularmente estudos de mercado para grandes instituições e clientes, lançámos uma linha low cost que permite aos investidores terem acesso à informação que realmente interessa a custo reduzido.

Em alternativa, considere adquirir o nosso relatório “Melhores mercados” onde trimestralmente indicamos quais são os melhores mercados do trimestre com base em recolhas de dados objectivas.

3. Os imóveis

Mas quais são os melhores imóveis? Como os conseguir? Como os negociar?

Identificado o mercado que deseja “atacar”, tem que agora passar para os imóveis.

É aqui que reside outro erro dos investidores iniciantes; alguns procuram imóveis pelo “look”, pelo encanto, e outros pelos bairros que gostam mais. As 3 primeiras regras do imobiliário são 1. localização, 2. localização, 3. localização.

Mas o que é isso da localização? Há boas e más? Escolho as boas?

Sim, mas uma localização boa é aquela que vai apreciar (e não depreciar), ou seja cujo valor vai crescer com o tempo. Um pouco como os mercados, mas numa perspectiva mais micro.

E como escolher as localizações? Bom, considere transportes, serviços, criminalidade, espaços verdes, etc. Considere a zona como se fosse o sítio onde iria viver. Use o senso comum, mas dados concretos também.

Os bons sítios são aqueles onde toda a gente gosta de viver. Faça esta experiência, resulta sempre: convide um grupo de amigos para tomar um café. Pergunte-lhes que zonas da cidade gostariam para viver. E vai rapidamente ver que existe uma percepção generalizada de que algumas zonas são bem cotadas, enquanto outras não.

Mas isso determina os imóveis?

Sim e não. Agora já tem uma base de procura. Mas a localização só por si não determina nada. Aliás, é bem capaz de apenas encontrar maus negócios (a nível de números) nas zonas mais premium. Esse premium paga-se.

Por isso, encontre o “tier-2” das zonas, ou seja, os bairros que são os melhores… a seguir aos melhores!

E quanto aos imóveis, pode usar técnicas de negociação (leia o meu livro, vale a pena!) avançadas. Mas antes de negociar procure os melhores imóveis, faça listas, procure papeis a dizer “vende-se” nos bairros, pergunte a pessoas, etc.

Humm… mas é assim tão fácil?

Parece fácil? Não é. Mas é um começo. Enquanto o meu livro lhe vai dar uma perspectiva muito mais abrangente do que este post, este post é um começo. E no fundo falo-lhe de senso comum, mas sabe quantos investidores iniciantes não o usam?

4. Rentabilidade e outros factores

Como qualquer investimento, a rentabilidade do mesmo acaba por ser o factor mais importante. Sim, a valorização a médio prazo é também muito importante, mas a maior parte dos investidores procura rentabilidades altas no imediato.

A rentabilidade é fácil de calcular: é o dinheiro que recebe do investimento dividido pelo valor total que investiu. No fundo outros investimentos como depósitos a prazo, actualmente não têm rentabilidade. Ou melhor, têm (porque todos os investimentos têm), mas é tão baixinha que não se compara a outros investimentos.

Mas a rentabilidade é tudo?

Não, não é. A rentabilidade e a valorização do imóvel são tudo. Porque juntas estão ligadas a tudo (potencial de renda – embora não de forma linear, procura do tipo de imóvel, retorno, etc).

Mas não consigo calcular a valorização… pois não, mas consegue escolher um mercado que possa vir a tornar-se grande. Ou cujo rácio de imóveis e pessoas penda para o seu lado, independentemente do tamanho do mercado.

OK, então rentabilidade e valorização, OK. Uma consigo calcular e a outra prever, parece fácil. Porém, prever valorizações de mercado é complicado e na minha experiência, pouca gente ganha muito dinheiro dessa forma. Apenas alguns investem o dinheiro e tempo necessários para prever tal coisa. E esse é o truque.

Mas não é o único, o outro é reconhecer valor. Reconhecer valor em patinhos feios, em imóveis que têm um aspecto muito mau mas se podem tornar em imóveis com excelentes condições ao mesmo tempo que o investidor ganha muito dinheiro com isso.

Veja este imóvel:

ruinas imovel para remodelar

Sabia que eu vi um valor enorme neste imóvel? E estava certo, afinal havia de o remodelar e de gerar rentabilidades anuais brutas superiores a 20% com ele. Eis “o durante”, que lhe dá uma ideia do tipo de remodelações que eu faço:

depois obra

No cálculo da rentabilidade, deve englobar tudo o resto, como custos de obras, remodelação, manutenção, juros pagos sobre o capital investido, etc.

5. Investimento e tempo gasto

Agora já sabe conhece a parte do mercado imobiliário, imóveis e até aquilo são boas rentabilidades.

E quanto ao investimento e tempo gasto pelo mesmo? Cada caso é um caso e por isso terá que perceber qual será o melhor caso para si.

Quanto ao investimento, deve pensar nas seguintes questões:

  • Quanto está disposto a investir e se o dinheiro que sobra lhe permite estar desafogado;
  • Qual o tempo que tem para alocar ao seu portfolio (e.g., quer gerir os imóveis/inquilinos?).

Um dos clientes da ArrowPlus chegou um dia até mim e perguntou-me como poderia aumentar o rendimento do portfolio. Com mais de 1.500.000€ aplicados em imóveis, a rentabilidade era muito baixa. Além disso, tinha que investir muito tempo a gerir tudo. O que fizémos? Re-estruturámos o portfolio, aumentando a rentabilidade e passividade.

Estas são duas questões que podem mudar bastante o rumo do seu investimento. Antes de investir, deve ponderar bem sobre aquilo que pretende, medindo os prós e os contras. E quando lhe digo isto, digo-lhe para ser cauteloso, mas não estou a sugerir que nunca invista. Vai arrepender-se daqui a uns anos…

Apenas perceba que a vida é feita de riscos, e as boas decisões são aquelas que são riscos calculados.

A minha história e o meu caminho

A minha história pessoal com o imobiliário começou em novo, quando eu comecei a investir em fundos imobiliários. Investimentos completamente passivos, porém comecei a achar que não tinha a gestão sobre o meu dinheiro que eu queria.

E foi aí que me virei para imóveis. Primeiro um apartamento, depois um prédio, depois um portfolio.

Em todos os momentos os meus investimentos se trataram de riscos calculados. Comecei com pouco e montei um portfolio grande, com várias fracções distribuidas por várias localidades em Portugal.

Durante este período, enfreitei todo o tipo de problemas. Danos em casas por causas extra pessoais, furtos, negócios fantásticos, etc. Mas sabe quais foram as coisas que me marcaram mais: comissões e preocupações.

Gerir imóveis não é simples, mas pagar comissões “mata” as margens em demasia. O melhor método? Ter um “super”, alguém que lhe resolva os problemas todos e lhe gira os imóveis. Porém, isso compensa a partir de um ponto no portfolio e além disso encontrar a pessoa certa pode ser muito complicado.

Em suma, tem que perceber que ser gastar mais tempo ou gastar mais dinheiro em comissões. Não existe caminho certo para todos, mas existe um caminho mais indicado para si.

6. Optimização do seu investimento

Um investimento imobiliário (especialmente se se tornar grande, num portfolio) é algo que pode ter diversos níveis de optimizações. Ainda nem falei em financiamento nem impostos neste post, e já lhe estou a dizer que há muito por onde optimizar.

Primeiro, existe a construção do portfolio, com base em mercados sólidos e com boas rentabiliades. Este passo por si só já tem imenso potencial de optimização.

Depois existe a questão individuo vs empresa (aqui sim, é importante ler o meu livro), onde se optimiza a carga fiscal.

Depois existe o financiamento, e a questão do tipo de taxa que contratualiza com o banco. Quer taxa variável ou fixa? Quer segurança ou proveitos altos para um aumento do risco, o tal risco calculado que lhe falei?

Como lhe disse, as comissões podem tornar-se pesadas com o tempo. Aqui ter um super seria fantástico, mas não é o mais fácil para todos os investidores.

E investir com base em números sólidos, é essa a política da ArrowPlus: fazer com que todos os investidores (do pequeno ao grande) tenham acesso a consultoria de qualidade e estudos de mercado a um preço acessível.

7. Esteja preparado para presentes envenenados

A maior parte das pessoas passam por um problema ingrato, porque só compram até 1 ou 2 casas na vida. Ora dessa forma não vão tornar-se especializadas no tema. Imagine se tivesse que cozinhar apenas uma vez na vida e não pudesse “falhar” porque comprometeria a sua vida financeira para o futuro? Ou arranjar um carro uma vez. Ou dar uma aula. Qualquer coisa, mas apenas uma vez na vida.

Seria especialista? Claro que não.

Então faz-lhe sentido procurar por um investimento se nunca o fez antes, ou se apenas um fez um par de vezes?

Não seria um problema grande, se isso não comprometesse a sua vida financeira para o futuro… é por isso que eu sempre recomendo clientes a procurar uma empresa como a ArrowPlus – e não tem que ser a ArrowPlus, pode ser outra. Mas não o faça sozinho se não achar que está bem assessorado – os resultados podem ser catastróficos.

Por exemplo, sabe o que é a Euribor? E quando pergunto se sabe é: “sabe mesmo”? A Euribor não é só a componente variável de um crédito com taxa variável…

E uma taxa Swap? E a TAER? E o VPT? E o IMT, sabe como funcionam?

Como em tudo na vida há formas óptimas, boas e desastrosas de fazer as coisas. Assumir que vai optar por uma forma boa ao comprar um imóvel pela primeira vez é um erro. Ou lidar com inquilinos quando nunca lidou, ou até activar um seguro!

Existe uma panóplia de assuntos para os quais poderia estar preparado ou ser assessorado. Caso queira fazer as coisas por si, recomendo-lhe o meu livro:

capa livro do 0 ao milhão investir em imóveis

Comprar Livro

porque terá muito mais conhecimento na área depois de o ler.

Seja prudente – eduque-se. Não acredite que apenas por as taxas de crédito habitação estarem em mínimos esta é a altura perfeita para investir. Sabe porquê? Taxas baixas sobem. E está preparado?

E a questão dos mercados sobrevalorizados? Lisboa e Porto, parecem-lhe atractivos? E se eu lhe disser que esses são actualmente dos piores mercados para investir em Portugal? Falo-lhe de baixas rentabilidades e correcções ao virar da esquina…

arrowplus rentabilidades investimentos imóveis portugal

Mas eu vivo em Lisboa!

Sim, mas isso não faz de Lisboa o melhor mercado. OK, pode conhecer melhor o mercado e as pessoas, mas acha que isso compensa a diferença brutal de rentabilidade que pode haver para outros mercados? Falo-lhe de 3x mais!

E as valorizações recentes?

Bom, essas dizem, na minha opinião, respeito a factores externos como turismo e vistos Gold. Está tudo inflaccionado. Não é sustentável! Não, diz você? Bom, cada macaco com a sua opinião, mas repare nestes dados. Um, desde 2012 Lisboa subiu 61% e o Porto 72%, em certas zonas. Os preços na Avenida da liberdade atingem os 11.000€ por metro quadrado. Chiado? 10.000€. OK, mas é a Avenida da Liberdade e Chiado…

Não! O preço médio em Portugal por metro quadrado são 900€, números redondos. Estima-se que novos apartamentos em Lisboa saiam por 6.000€ por metro quadrado. Ainda lhe parece tudo bem? OK, façamos as contas:

6.000€ por metro quadrado num apartamento de 90m² (médio, portanto), sai a 540.000€. Se poupar 500€/mês (um número altíssimo para a realidade portuguesa) então só precisa de 1080 meses (ou seja 90 anos) para pagar o apartamento. Isto admitindo que não tem juros, se não adicione uns 30 ou 40 anos a esse número.

A esperança média de vida cresce todos os anos, mas não tanto assim ao ponto de poder pagar a sua casa em 120 ou 130 anos…

A resposta? O mercado está sobrevalorizado… é preciso ter muito muito cuidado com o que está a fazer com o seu dinheiro. Por isso, para investir deve sempre ter em atenção o máximo de dados possíveis.

Bons negócios imobiliários,